Existem mais de 27 agrotóxicos na água que chega às torneiras

A presença de agrotóxicos na água representa um sério problema de saúde pública, que pode trazer consequências irreparáveis para as condições de saúde de populações e ecossistemas inteiros.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, 1 em cada 4 municípios brasileiros sofrem com esse problema, mas grande parte da população ainda o desconhece e seus impactos ainda são, na grande maioria das vezes, negligenciados pelo poder público.

A seguir, saiba mais sobre a situação levantada dos agrotóxicos na água, quais as suas consequências para a saúde e como evitar esse tipo de contaminação na sua casa.

Qual a atual situação dos agrotóxicos na água da população?

Entre os anos de 2014 e 2017, todos os 27 pesticidas de investigação obrigatória pela portaria do Ministério da Saúde foram detectados nas redes de abastecimento de água de ao menos 1.396 cidades brasileiras.

Entre eles, 16 são considerados altamente ou até extremamente tóxicos, enquanto 11 são diretamente associados a patologias crônicas, como doenças reprodutivas, malformação fetal, disfunções hormonais e até câncer.

Em mais de 80% dos testes, 5 agrotóxicos na água são classificados como prováveis cancerígenos pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos e 6 deles considerados causadores de disfunções endócrinas pela União Europeia.

De todas as 27 substâncias mencionadas, 21 delas são absolutamente proibidas nos países que compõem a União Europeia, justamente pelos conhecidos riscos que oferecem para a população e para a natureza.

As capitais Rio de Janeiro, Fortaleza, São Paulo, Curitiba, Manaus, Porto Alegre, Cuiabá, Florianópolis, Campo Grande e Palmas se destacaram com maiores índices de contaminação.

Para se ter uma noção do quão alarmante é a situação, no início das análises, em 2014, foram encontrados agrotóxicos na água de 75% dos municípios avaliados. Em 2017, esse número subiu para 92%, em um ritmo que aponta quão raras se tornaram as águas limpas nas torneiras brasileiras.

Como evitar a presença de agrotóxicos na água que chega da rede?

Mesmo que a situação dos agrotóxicos na água dos cidadãos brasileiros exija imediata ação pública de reparação, existem alguns cuidados básicos que já podem ser adotados de maneira imediata por quem é atingido diretamente pelo problema.

Cada vez mais, estações de água para uso coletivo têm se tornado comuns entre quem preza por uma água de qualidade e, consequentemente, por uma vida mais saudável.

Além de garantir mais economia durante o consumo, elas contam com certificação máxima junto ao INMETRO, eliminando quase na totalidade a presença de metais pesados, bactérias e agrotóxicos.

Quer saber ainda mais sobre o assunto?

A água que consumimos é um interesse de todos, por isso é fundamental que cada cidadão acompanhe a sua qualidade e exija por melhores padrões de legislação e fiscalização em relação ao seu tratamento.

E você, já conhecia a situação das redes que abastecem os lares brasileiros? Quer ficar por dentro de tudo sobre o tema e saber ainda mais sobre como intervir em relação a ele?

Então continue acompanhando o conteúdo exclusivo da Purificatta e descubra tudo sobre agrotóxicos na água, meios de tratamento, consumo seguro e muito mais!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Assine nossa Newsletter!

Leia Também