microplástico na água

Microplástico na água: o que é e quais os seus principais riscos?

A presença de microplástico na água é uma das consequências mais sérias e nocivas da ação humana para o meio ambiente.

Essas partículas microscópicas advindas do descarte inadequado de resíduos feitos de plástico não representam apenas um enorme problema para o ecossistema marinho, mas também para a saúde dos seres humanos!

A seguir, saiba mais sobre as características do microplástico, seus principais malefícios e como contribuir para a sua diminuição.

O que é e como ocorre o microplástico na água?

Reconhecido como um dos principais poluentes dos oceanos, das redes de água e até, mais recentemente, de fontes utilizadas para consumo humano, o microplástico é caracterizado como uma pequena partícula plástica que pode atingir até 5 milímetros.

Qualquer produto que não é descartado adequadamente, seja ele garrafa, brinquedo, eletrônico ou embalagens em geral, sofre um processo de quebra quando entra em contato com a natureza, através dos ventos, chuvas, ondas do mar ou outras intempéries do tempo.

Esses choques mecânicos fazem com que esses itens plásticos se fragmentem continuamente, até que se tornem as pequenas e indetectáveis partículas conhecidas como microplástico.

Entre as principais origens do microplástico na água, destacamos:

  • Escape de aterros através de chuva ou ventos;
  • Descarte inadequado de produtos ou embalagens de plástico;
  • Descarte industrial e perda residual de matérias primas plásticas;
  • Lavagem de roupas feitas de fibras de plástico, como o poliéster;
  • Uso de determinados produtos de higiene e beleza, como pastas de dente, esfoliantes, delineadores, gloss, shampoos e certos sabonetes.

Em níveis de saúde pública, a presença do microplástico na água pode causar sérios problemas na população sem acesso ao tratamento. Já no mar, ele altera a composição química de certas áreas, comprometendo toda a vida marinha na região e outros ecossistemas relacionados.

Quais os principais malefícios da contaminação por microplástico?

Uma das características mais nocivas do microplástico é a sua alta capacidade de absorção de substâncias tóxicas, como metais pesados, pesticidas, entre outros poluentes orgânicos presentes no mar.

Ao agregar esses produtos nocivos, o microplástico na água pode provocar sérios problemas aos seres vivos que o consomem, em um tipo de intoxicação conhecida pela sigla POPs, que vem de “poluentes orgânicos persistentes”.

Dentre os principais riscos envolvidos, estão:

  • Bloqueio do trato digestivo de pequenos animais;
  • Intoxicação decorrente dos químicos presentes no plástico;
  • Disfunções hormonais e neurológicas;
  • Problemas imunológicos;
  • Comprometimento da capacidade reprodutiva;
  • Intoxicação por bisfenóis, que são disruptores endócrinos extremamente prejudiciais para a saúde.

O grande problema é que não é preciso ter contato direto com o microplástico na água para sofrer com os seus danos, pois sua presença afeta toda a cadeia alimentar.

Em primeiro nível, são os plânctons e outros pequenos animais que se alimentam do plástico, até que peixes maiores os comem e distribuem a intoxicação, que é difundida por toda a cadeira e chega até o alimento das pessoas.

Como contribuir para que a sua incidência seja diminuída?

Por mais que os estudos sobre os verdadeiros impactos do microplástico ainda sejam relativamente recentes, já é de consenso geral que o consumo consciente de itens plásticos é urgente entre toda a sociedade.

Entre as principais medidas cotidianas a serem adotadas, está a preferência por produtos recicláveis, o uso da coleta seletiva, a eliminação de itens feitos de plástico quando não necessários, entre outras ações relacionadas.

Atualmente, também existem filtros d’água extremamente acessíveis e que possuem capacidade plena de eliminar o microplástico, como é o caso de marcas como a Purificatta.

Se você ficou interessado no assunto e compartilha conosco da preocupação com o microplástico na água, deixe o seu comentário, dúvida ou sugestão sobre o tema e não perca os próximos posts do nosso blog!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Assine nossa Newsletter!

Leia Também