quantos votos são precisos para aprovar decisão no condomínio

Quantos votos são precisos para aprovar decisão no condomínio

As decisões mais significativas do condomínio precisam reunir a maioria ou mesmo o total dos moradores para que sejam aprovadas. O quórum é estabelecido pelo novo Código Civil e varia conforme o tema votado.

Por exemplo, para a construção de outro pavimento ou a mudança de uso do edifício, é necessária a votação de todos os moradores. A falta de quórum adequado para cada situação poderá dar margem para a anulação das decisões tomadas e cancelamentos judiciais.

Saiba como fazer uma assembleia geral extraordinária

A assembleia geral extraordinária é o mecanismo estabelecido para a votação de assuntos diversos pelos condôminos, como a aprovação de obras de melhorias, mudança de síndico, alterações na Convenção e ações trabalhistas. Ela pode ser feita sempre que necessário, desde que sejam observadas as regras da legislação, os dispositivos na convenção e o regimento interno do condomínio.

Os condomínios são obrigados a realizar pelo menos uma assembleia geral anual, com o objetivo de aprovar a previsão orçamentária do próximo ano e a prestação de contas do exercício anterior.

O quórum mínimo para que a reunião tenha validade legal deve ser explicitado no edital de convocação. Cada condomínio tem a sua Convenção, mas a maioria determina a aprovação de dois terços dos condôminos, em primeira convocação, e a maioria dos votos dos presentes, em segunda convocação.

aprovar decisão no condomínio

De acordo com a legislação, as decisões definidas em assembleia na primeira convocação devem ter a maioria dos votos dos moradores e corresponder à metade das frações ideais do condomínio. Na segunda convocação, basta a maioria dos votos de quem estiver presente na reunião.

Entenda qual é o quórum necessário para aprovar decisão no condomínio

Para aprovar decisão no condomínio como a aprovação de contas, aumento da taxa e eleição de síndico, é preciso quórum de metade do todo em primeira convocação e quórum livre na segunda.

Na realização de obras necessárias, envolvendo a conservação das instalações do edifício, como a pintura ou limpeza da fachada, ou ainda obras urgentes, como impermeabilização de um vazamento, é necessária a maioria dos presentes na assembleia. Porém, se as despesas não forem grandes, não precisam de aprovação.

Para obras úteis, que aumentam ou facilitam o uso do condomínio, como reforma da guarita, individualização dos hidrômetros, portaria remota, entre outros, é necessária a votação da maioria de todos os condôminos.

Conheça alguns detalhes das regras para votação

Em razão de a contagem dos votos ter como base a fração ideal de cada um dos condôminos, a votação secreta é proibida na assembleia de condomínio.

O condômino inadimplente não tem o direito a voto nas assembleias, de acordo com o art. 1.335, III, do novo Código Civil.

Cabe notar ainda que nem todo inquilino é condômino. Nos termos do art. 1.334, § 2º do novo Código Civil, são considerados condôminos somente os proprietários ou os titulares de direito de aquisição sobre a propriedade imobiliária (promitentes compradores, cessionários, promitentes cessionários). O inquilino só poderá participar e votar como mandatário do locador, mediante apresentação de procuração.

O síndico também nem sempre pode votar. Se ele for condômino, ele poderá discutir e votar todas as matérias constantes da ordem do dia, salvo aquelas relacionadas às suas contas e administração. Do contrário, o síndico poderá participar e votar de qualquer assunto colocado em pauta.

quantos votos são precisos para aprovar decisão no condomínio

Como vimos, é necessário ficar atento a algumas regras do Novo Código Civil para aprovar decisão no condomínio. Esse cuidado é importante para evitar o risco de algum morador conseguir anular uma decisão da assembleia por meio de uma ação judicial.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Assine nossa Newsletter!

Leia Também